Imagem de uma calculadora.

A tecnologia e o empreendedorismo contábil

Linha cinza de separação

As relações de negócios vêm sofrendo frequentes transformações nas últimas décadas, principalmente no que diz respeito à influência dos avanços tecnológicos. No setor contábil, isso não é diferente. Entretanto, a maioria dos escritórios ainda adota um modelo muito arcaico de trabalho. 

Por consequência, acaba abrindo mão de tecnologias que poderiam reduzir custos, aumentar a receita e, consequentemente, a produtividade.

Pensem no Sped fiscal que exige um formato digitalizado de consolidação das escriturações fiscal e contábil; nas declarações de imposto de renda feitas online; nos serviços de atendimento automatizados. Ainda que contadores resistam, a verdade é que a tecnologia já faz parte da realidade.  

Um dos principais desafios do setor é conseguir substituir o uso de um modelo de trabalho quase manual, por modelos mais tecnológicos e empreendedores.

Boa parte dos escritórios de contabilidade ainda dedica  muito tempo tempo cumprindo obrigações acessórias manualmente porque acredita que isso faça a diferença. 

Mas e se os contadores pudessem otimizar o tempo gasto com tarefas manuais para aumentar a produtividade dos seus escritórios? Para pensar em estratégias de crescimento? Como seria se pudessem fazer a importação automática de dados, ao invés de digitaliza-los? E se tivessem um atendimento automatizado que profissionalizasse e desse feedback sobre a qualidade dos serviços prestados? E se adotassem uma postura mais empreendedora que oferecesse serviços diferenciados e personalizados, será que não estariam agregando mais valor aos serviços? Será que não se destacariam no setor?

Em tempos de crise, quando todos estão lutando por sobrevivência, abraçar-se aos demais é se deixar morrer junto a eles. Ou seja, não aderir à tecnologia significa ser condenado a uma sentença de morte coletiva. 

Para mudar esse cenário é preciso ter mudanças contínuas e, para acompanhá-las, há que se ter um olhar atento à realidade que nos cerca, principalmente no setor contábil onde existe uma forte tendência ao tradicionalismo. Ou seja, é preciso inovar, e não há como fazer isso sem falar de tecnologia. Sem ela, é quase impossível se diferenciar.

Mas como empreender? Quais tecnologias adotar?

Desde calendários virtuais a plataformas online de automação de marketing, são inúmeros os recursos que podem ajudar um escritório contábil a se diferenciar frente à concorrência. Mas para você que está começando nessa jornada tecno-empreendedora, aqui vão 3 dicas que podem ser o pontapé inicial para o sucesso do seu escritório!

  • Faça uso de uma ferramenta de gestão online que otimize seu tempo fazendo conciliações bancárias e importação de dados automaticamente;
  • Contrate uma plataforma que permita gerenciamento do seu atendimento, automação e redução de custo; 
  • Preste serviços diferenciados com a ajuda de ferramentas online que elaborem apresentações de impacto. Você tem todas as informações financeiras de seus clientes, logo, mais que ninguém você pode ajudá-los a analisar seus números e, assim,  crescer.  Ou seja, faça uso da tecnologia para diferenciar seus serviços e aumentar o lucro de seus clientes. Pense que, aumentando a receita deles, serão eternamente fiéis aos seus serviços.

Conclusão

É claro que as alternativas não param por aí. A ideia é que você, contador, abra sua mente, inove-se constantemente e não se acomode, jamais. Observe o mercado, seus concorrentes de sucesso, entenda o que eles fazem e busque alternativas para ser ainda mais eficiente que eles. 

Invista em novas tecnologias, em atendimento diferenciado e em serviços de qualidade, mas não pare por aí porque o mundo gira e a tecnologia voa.

Comprtilhe a sua opinião sobre o post com a gente! Deixe um comentário abaixo!

bianca-cardoso
Bianca Cardoso

Bianca é Produtora de Conteúdo Especializado de Marketing do Nibo, e nossa primeira convidada especial aqui no Blog.

Site
Menu

Blog do Atende Simples 

Posts Relacionados:

Saiba o que é atendimento omni channelComo reduzir custos e aumentar a competitividade4 tendências do mercado de e-commerce